A importância do fonoaudiólogo no combate ao COVID-19





Orientações aos fonoaudiólogos atuantes no ambiente hospitalar e Unidades de Terapia Intensiva quanto aos cuidados durante a pandemia de COVID-19


A principal indicação de atendimento fonoaudiológico hospitalar tem relação com a necessidade de manejo da disfagia e redução do risco de broncoaspiração, sendo assim diante da pandemia de Covid -19 e hospitalização principalmente de indivíduos idosos e com comorbidades, algumas sugestões são necessárias aos fonoaudiólogos para realização de uma boa prática;

A- Para atendimento a pacientes NÃO suspeitos a rotina pode estar mantida, utilizando as medidas de precaução padrão adequadas , conforme o tipo de assistência a ser prestada.

Utilizar máscara cirúrgica, óculos de proteção e gorro. Garantir todos os passos de higienização adequada das mãos e desinfecção adequada de instrumentos utilizados;

B- Para atendimento a casos SUSPEITOS OU CONFIRMADOS :

- para quaisquer casos suspeitos ou confirmados , deve ser analisada a pertinência da avaliação fonoaudiológica diante do quadro do paciente, privilegiando medidas preventivas de cuidado e de menor risco;

- Não é recomendado o acompanhamento de pacientes intubados sob nenhuma hipótese;

- Em pacientes graves submetidos a intubação orotraqueal, para a reintrodução da alimentação oral, a avaliação e acompanhamento fonoaudiológico dar-se-ão após a extubação, conforme quadro do paciente;

- Em caso de avaliação e acompanhamento: utilizar impreterivelmente equipamentos de proteção individual adequados com todas as medidas de precaução padrão para paramentação e desparamentação: roupa privativa da unidade, capote descartável, luvas, gorro, óculos de proteção e máscara N95, associados ao cuidado da lavagem das mãos conforme instrução de todos os órgão normativos;

- Evitar a inspeção e manuseio da cavidade oral e língua, considerando o grande potencial de disseminação do vírus; Sugere-se que o protocolo de higiene oral seja orientado pelas normativas da odontologia e realizada pela equipe de enfermagem conforme critérios e orientações estabelecidas pelos órgãos próprios.

- Em caso de uso de espessantes e alimentos para avaliação, descartar sobras e não reutilizar em hipótese alguma ;

- Usar utensílios descartáveis ;

- Evitar ausculta cervical considerando o potencial de sobrevivência do vírus em superfícies ; em caso de necessidade utilizar apenas o instrumento do paciente , com atenção à higienização e desinfecção da oliva;

-Em caso de pacientes traqueostomizados, sugere-se não realizar quaisquer procedimentos que possa produzir aerossóis.

-NÃO é recomendado desinsuflar cuff, estimular a tosse, uso de dispositivos respiratórios ou adaptação de válvula de fala e deglutição durante o curso da doença.

- Iniciar treinamento de deflação do cuff, adaptação de válvula de fala e processo de decanulação APÓS curso da doença com painel viral negativo.

- o procedimento de aspiração endotraqueal deve ser cuidadoso e idealmente com circuito fechado de aspiração;

- Sugere-se que a assistência seja prestada preferencialmente por um profissional exclusivamente, mas na impossibilidade por dificuldade de pessoal, sugere-se que os pacientes suspeitos ou confirmados sejam os últimos atendidos no plantão. Fonoaudiólogos que compõe o grupo de risco ( asmáticos, hipertensos, diabéticos, idosos e gestantes) não devem prestar assistência a esses pacientes ;

-para exames como a videofluroscopia da deglutição assim como para a videoendoscopia da deglutição, sugere-se que seja realizado apenas após painel viral negativo.

- para quaisquer casos de dúvidas recomenda-se a discussão com a equipe de CCIH do serviço para orientação da melhor pratica a ser empregada.

Por: Christiane Albuquerque

Fonoaudióloga - Comitê de Fonoaudiologia BRASPEN

Referências:

1. Velavan TP, Meyer CG. The COVID‐19 epidemic. Tropical Medicine & International Health. 2020;25(3):278-80. https://doi.org/10.1111/tmi.13383


2. Jin YH, Cai L, Cheng ZS, Cheng H, Deng T, Fan YP, et al. A rapid advice guideline for the diagnosis and treatment of 2019 novel coronavirus (2019-nCoV) infected pneumonia (standard version). Military Medical Research. 2020;7(1):4. https://doi.org/10.1186/s40779-020-0233-6


3. Wu D, Wu T, Liu Q, Yang Z. The SARS-CoV-2 outbreak: what we know. International Journal of Infectious Diseases. 2020. https://doi.org/10.1016/j.ijid.2020.03.004


4. Guan WJ, Ni ZY, Hu Y, Liang WH, Ou CQ, He JX, et al. China Medical Treatment Expert Group for Covid-19. Clinical Characteristics of Coronavirus Disease 2019 in China. New England Journal of Medicine. 2020. https://doi.org/10.1056/NEJMoa2002032


5. Lai CC, Shih TP, Ko WC, Tang HJ, Hsueh PR. Severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2) and corona virus disease-2019 (COVID-19): the epidemic and the challenges. International Journal of Antimicrobial Agents. 2020;105924. https://doi.org/10.1016/j.ijantimicag.2020.105924


6. Ling Z, Xu X, Gan Q, Zhang L, Luo L, Tang X, et al. Asymptomatic SARS-CoV-2 infected patients with persistent negative CT findings. European Journal of Radiology. 2020;108956. https://doi.org/10.1016/j.ejrad.2020.108956


7. American Academy of Otolaryngology - Head and Neck Surgery (AAO-HNS). ANOSMIA, HYPOSMIA, AND DYSGEUSIA SYMPTOMS OF CORONAVIRUS DISEASE. Coronavirus Disease 2019: Resources. 2020. Disponível em: https://www.entnet.org/content/coronavirus-disease-2019-resources


8. Yang W, Cao Q, Qin L, Wang X, Cheng Z, Pan A, et al. Clinical characteristics and imaging manifestations of the 2019 novel coronavirus disease (COVID-19):A multi-center study in Wenzhou city, Zhejiang, China. J Infect. 2020:80;388-93. https://doi.org/10.1016/j.jinf.2020.02.016


9. Yuen KS, Ye ZW, Fung SY, Chan CP, Jin DY. SARS-CoV-2 and COVID-19: The most important research questions. Cell & Bioscience. 2020;10(1):1-5. https://doi.org/10.1186/s13578-020-00404-4