BRASPEN News - Nutrição especializada para o controle glicêmico: Quais os benefícios?

Atualizado: 4 de jul.


Silvia Ramos - Nutricionista Educadora em Diabetes ADJ/IDF/SBD Coordenadora do Departamento de Nutrição da SBD (2020-2023)


Nutrição especializada para o controle glicêmico: Quais os benefícios?


A nutrição especializada, projetada com a inclusão de nutrientes com propriedades específicas no controle glicêmico, é chave para o alcance dos objetivos da terapia nutricional em diabetes (1). A nutrição especializada em diabetes faz parte da terapia médico nutricional e contempla a utilização de fórmulas nutricionais que auxiliam a modular a resposta glicêmica. (2) Esses nutrientes combinados são principalmente carboidratos de absorção lenta, fibras, proteínas e gorduras de boa qualidade, como os do tipo ômega-3.

Diferentes tipos de carboidratos tem respostas glicêmicas diferentes. Em pessoas com diabetes tipo 2 (DM2), carboidratos de lenta absorção são mais indicados para reduzir a resposta da insulina, evitar picos glicêmicos e diminuir a variabilidade glicêmica pós-prandial. (2,3) A isomaltulose é um bom exemplo de carboidrato de absorção lenta, com estudos que avaliaram seu papel na redução da hemoglobina glicada em 0,1-0,5%. (4)


Já as fibras alimentares contribuem positivamente por dois diferentes mecanismos: (a) na redução da velocidade de absorção da glicose no intestino e (b) na forma de fibra prebiótica com a melhora da saúde intestinal. Ambos os mecanismos estão relacionados ao melhor controle glicêmico. (5,6) Entretanto, é necessário garantir a quantidade diária de fibras e que as mesmas tenham as características necessárias para produzir os resultados no parâmetros glicêmicos.

Outro nutriente presente na nutrição especializada para diabetes com impacto no controle glicêmico e na sensibilidade à insulina são as proteínas. A recomendação de proteínas na alimentação de pessoas com diabetes e sem doença renal é 1,0-1,5 g/kg de peso/dia ou 15%–20% do valor energético total, entretanto é necessário avaliação individual. (7) A proteína, dentro de uma nutrição especializada para o diabetes, promove atenuação da resposta glicêmica, aumento do estímulo à liberação de insulina em DM2, manutenção da massa muscular e aumento da saciedade, que pode apoiar a redução ou manutenção do peso corporal. É importante salientar que pessoas com DM1 podem ter respostas diferentes. (1) O Whey Protein (WP) é uma das fontes proteicas mais utilizadas em suplementos nutricionais, podendo ser utilizada para complementar a alimentação. Sua composição contribui positivamente com a redução da glicemia pós-prandial. (8,9)

Entre os padrões alimentares mais recomendados para pessoas com diabetes, está o Mediterrâneo. (3) Neste padrão, as gorduras insaturadas devem ser priorizadas e o papel do ômega-3 tem sido cada vez mais estudado. A recomendação para inclusão do ômega-3 está relacionada principalmente à saúde cardiovascular, uma vez que pessoas com diabetes têm risco aumentado. (7, 10) e a inclusão deste nutriente na alimentação pode ofertar efeitos adicionais quando combinados à uma alimentação saudável. (11)


Na prática, a combinação ou adição de nutrientes no plano alimentar de pessoas com diabetes pode ajudar no manejo tanto da glicemia, como das doenças associadas ao diabetes e pode ser recomendada como estratégia nutricional



Referências

1. Evert AB, et al. Nutrition Therapy for Adults With Diabetes or Prediabetes: A Consensus Report. Diabetes Care 1 May 2019; 42 (5): 731–754.

2. Hamdy O, Ernst FR, Baumer D, Mustad V, Partridge J, Hegazi R. Differences in resource utilization between patients with diabetes receiving glycemia-targeted specialized nutrition vs standard nutrition formulas in U.S. hospitals. JPEN J Parenter Enteral Nutr. 2014 Nov;38(2 Suppl):86S-91S.

3. American Diabetes Association. 5. Facilitating behavior change and well-being to improve health outcomes: standards of medical care in diabetes-2020. Diabetes Care. 2020 Jan;43(Suppl 1): S48–65.

4. Maresch CC et al. Low glycemic index prototype isomaltulose— update of clinical trials. Nutrients, 2017;9(4):381, 2017.

5. Reimer, R.A., Wharton, S., Green, T.J. et al. Effect of a functional fibre supplement on glycemic control when added to a year-long medically supervised weight management program in adults with type 2 diabetes. Eur J Nutr. 2021; 60, 1237–1251

6. Wang X, Yang J, Qiu X, Wen Q, Liu M, Zhou D, Chen Q. Probiotics, Pre-biotics and Synbiotics in the Treatment of Prediabetes: A Systematic Review of Randomized Controlled Trials. Front Public Health. 2021 Mar 26;9:645035.

7. Campos LC. Diretriz BRASPEN de terapia nutricional no diabetes mellitus. BRASPEN J 2020; 35 (Supl 4): 1

8. Stevenson EJ, Allerton DM. The role of whey protein in postprandial glycaemic control. Proc Nutr Soc. 2018 Feb;77(1):42-51.

9. Smith K, Bowden Davies KA, Stevenson EJ, West DJ. The Clinical Application of Mealtime Whey Protein for the Treatment of Postprandial Hyperglycaemia for People With Type 2 Diabetes: A Long Whey to Go. Front Nutr. 2020 Oct 20;7:587843.

10. Mozaffarian D. Dietary and policy priorities for cardiovascular disease, diabetes, and obesity: A comprehensive review. Circulation. 2016 Jan 12;133(2):187–225.

11. Hartweg J, Perera R, Montori V, Dinneen S, Neil HAW, Farmer A. Omega-3 polyunsaturated fatty acids (PUFA) for type 2 diabetes mellitus. Cochrane Database Syst Rev. 2008 Jan 23;(1):CD003205.

453 visualizações