BRASPEN News: O impacto da alta oferta proteica versus a média oferta proteica na UTI



Elaborado por: Henrique Jorge Maia Costa

Médico Especialista em TNE e TNP pela BRASPEN e em Terapia Intensiva pela AMIB


Qual impacto da alta oferta proteica versus a média oferta proteica sob igual oferta calórica na UTI?


Nos foi perguntado qual impacto da alta oferta proteica versus a média oferta proteica sob igual oferta calórica na UTI?


A princípio sabemos que, em relação ao paciente crítico, a manutenção da massa magra favorece os desfechos positivos, e que uma perda acentuada leva a maior incidência de infecção, cicatrização e mortes, principalmente relacionadas a pneumonias (1).


Além disso, sabemos que as únicas intervenções que, de uma maneira direta, interferem na manutenção da massa magra, são a oferta proteica mais vigorosa (2) e a aplicação precoce de exercícios físicos e força resistida (3).


Para compreendermos as razões que levam o organismo a se tornar tão ávido por proteínas nos momentos de criticidade, precisamos entender como ele as utiliza neste momento (2). Fomos doutrinados a pensar sobre a proteína e o carboidrato fornecendo quatro calorias por grama, conceito que leva em conta a digestão e não o potencial energético (entalpia) de cada nutriente. Em média, as proteínas tem uma entalpia muito maior que os carboidratos (5), porém apresentam uma capacidade para liberar energia ao “se desmontar” (Entropia) muito baixa.


De forma mais clara , é como se comparássemos as proteínas aos bens imóveis, como casas e apartamentos, enquanto que o carboidrato seria nosso dinheiro no bolso, e as gorduras o dinheiro no banco. Assim, os gastos do dia a dia serão resolvidos com o dinheiro do bolso, os gastos um pouco mais altos com o dinheiro do banco. Mas, para as grandes mudanças, os grandes investimentos, nos momentos de grande necessidade precisaremos vender e gastar nossos imóveis.


Tendo em vista que, “na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma.” assim também ocorre na doença grave e aguda, são inúmeras as transformações necessárias para vencermos a doença e nos reestabelecermos. Precisamos de novos tipos de proteínas para imunidade, para reparação tecidual, para sinalização celular e várias outras novas tarefas que o sobrevivente teve que acatar. Outro ponto muitíssimo importante é que para cada mudança, cada transformação, uma fonte de energia inicial, a qual chamamos de energia livre de Gibbs, que é produzida principalmente a partir do metabolismo das proteínas, mais precisamente no ciclo da uréia (6).


Neste contexto podemos entender que o organismo consome muito músculo para obter, com isso entendemos que se faz necessário ofertar proteína bem mais do que faríamos se o paciente não estivesse doente.


É claro que existem limites e relações acerca da oferta de nutrientes que precisamos atentar, mas estamos certos de que PROTEÍNA REALMENTE É VIDA.


Referências:


1. Acute Skeletal Muscle Wasting in Critical Illness. Zudin A. Puthucheary, Jaikitry Rawal;Mark McPhail et al. Caring for the Critically Ill Patient October 16, 2013.


2. ESPEN guideline on clinical nutrition in the intensive care unit. PierreSingera,Annika Reintam, Blaser bc, Mette M.Berger, Clinical Nutrit


ion Volume 38, Issue 1, February 2019, Pages 48-79.


3. Low skeletal muscle area is a risk factor for mortality in mechanically ventilated critically ill patients. Weijs, P.J., Looijaard, W.G., Dekker, I.M. et al. Crit Care 18, R12 (2014).


4. Exchange of Amino Acids by Muscle and Liver in Sepsis. Comparative Studies In Vivo and In Vitro. Szymon Rosenblatt, MD; George H. A. Clowes Jr, MD. Arch Surg. 1983; 118(2):167-175.



5. O perfil de macronutrientes influencia a termogênese induzida pela dieta e a ingestão calórica. Helen Hermana Miranda Hermsdorff , Ana Carolina Pinheiro Volp, Josefina Bressan. ALAN v.57 n.1 Caracas mar. 2007


6. Protein choices targeting thermogenesis and metabolism.ACHESON, Kevin J et al. Am J Clin Nutr 2011;93:525–34.




479 visualizações