Dia Mundial do Câncer



Hoje, dia 4 de fevereiro, é o dia mundial do câncer. Uma iniciativa global organizada pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC) com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS). Tem como objetivo aumentar a conscientização e a educação mundial sobre a doença, além de influenciar governos e indivíduos para que se mobilizem pelo controle do câncer.


Por isso, hoje, trouxemos para o Blog o resumo de um artigo que fala sobre a relação da microbiota e o câncer. O resumo foi elaborado pelo Nutricionista Ábner Souza Paz, que faz parte do grupo de Oncologia da BRASPEN.


O grupo de oncologia da BRASPEN é formado por 4 membros, que semanalmente publicam artigos resumidos na área do associado BRASPEN. Caso queira ler mais resumos como esse, basta acessar sua área do associado em: newsletters.


A relação da microbiota e o câncer


Sabemos muito recentemente, que muitos estudos estão acumulando conhecimento sobre o papel de ligação da microbiota com a fisiologia normal do hospedeiro e a subsequente progressão da doença. A ruptura da microbiota normal, conhecida como disbiose da microbiota, contribui para o desenvolvimento de várias condições clínicas relacionadas a aspectos físicos a comportamentais. Fatos esses discutidos pelos autores a seguir, quando eles se embasam cientificamente.

A literatura está apoiando o papel da microbiota em várias anormalidades físicas, incluindo gastrointestinais, neurológicas a cardiovasculares etc.

Além disso, estudos estão ligando o papel da microbiota om câncer e apoiando sua contribuição em quase todos os aspectos da carcinogênese, desde a suscetibilidade e progressão do câncer até a resposta à terapia anticâncer.

A literatura sugere que a correção da disbiose da microbiota por meio de bactérias probióticas benéficas pode ser benéfica em muitos tipos de câncer. Além disso, várias bactérias foram encontradas com potencial anticancerígeno e estão sendo desenvolvidos para uma terapia anticâncer eficaz.

O papel da microbiota na oncogênese é amplamente reconhecido em vários estudos. Estima-se que mais de 20% dos casos de câncer estejam associados a agentes infecciosos.

Vários microrganismos estão especificamente ligados ao desenvolvimento do câncer, como H. pilory que é declarado como um carcinógeno de classe I pela Organização Mundial da Saúde e envolvido no adenocarcinoma gástrico e no linfoma do tecido linfóide associado à mucosa (MALT)

Chlamydia trachomatis, Escherichia coli, Salmonella enterica também estão suspeitosamente envolvidos em câncer cervical, colorretal e de vesícula biliar, respectivamente. Além disso, a disbiose da microbiota envolvendo a modulação de vários organismos da microbiota também está ligada à carcinogênese.

A disbiose microbiana mediada por antibióticos também é conhecida por desempenhar um papel importante na tumorigênese em alguns estudos recentes.

Na discussão os autores afirmam que a microbiota intestinal está principalmente envolvida no fornecimento de energia a partir de substâncias alimentares não digeridas e, portanto, os componentes da dieta são um fator importante na decisão da composição da microbiota. Sob certas situações, esses produtos metabólicos mediados pela microbiota têm a capacidade de influenciar a carcinogenicidade e esses efeitos variam desde a ativação e síntese do carcinógeno até a remoção do carcinógeno

Várias enzimas bacterianas estão envolvidas no câncer e indicam o envolvimento da microbiota na carcinogênese.

O desenvolvimento do câncer está diretamente ligado à proliferação celular anormal e pode variar desde o aumento da proliferação celular até a inibição da morte celular. A microbiota é conhecida por regular a proliferação e regeneração celular sob várias condições.

Várias bactérias são conhecidas por produzir certas proteínas conhecidas como nucleomodulinas com a capacidade de alterar a função nuclear normal e, assim, influenciar o crescimento celular. Essas nucleomodulinas também são identificadas em bactérias suspeitamente associadas ao câncer, indicando um potencial envolvimento dessas proteínas na carcinogênese

Em contraste, a microbiota também tem a capacidade de promover e inibir a morte celular através da regulação da apoptose e, portanto, contribuir na inflamação e integridade das células epiteliais da mucosa intestinal.

Foi identificado que camundongos recém-nascidos livres de germes reduziram a interleucina 1β, fator de necrose tumoral (TNF) e morte celular alterada.

Embora este estudo acima tenha sido projetado para avaliar o efeito da microbiota no desenvolvimento do cérebro, seus resultados que demonstram a regulação mediada pela microbiota do principal regulador apoptótico TNF demonstram sua capacidade de regular a morte celular. Apoiando esta noção, as bactérias probióticas Lactobacillus rhamnosus GG é capaz de inibir a apoptose mediada por citocinas através da ativação de Akt anti-apoptótica/proteína quinase B e inibição de TNF pró-apoptótico, p38/MAPK, IL-1α ou IFN-γ. L. rhamnosus GG também é conhecido por produzir duas proteínas (p75 e p40) que ativam Akt e promovem o crescimento de células epiteliais do cólon e reduzem o dano celular epitelial mediado por TNF.

Os padrões moleculares associados ao patógeno (PAMP) dos componentes da microbiota são reconhecidos através do receptor Toll like (TLR) presente nos enterócitos e outras superfícies para montar a resposta imunológica. Sabe-se que os receptores toll-like apresentam expressão modulada durante a carcinogênese e isso também contribui para complicações infecciosas em pacientes com câncer.

A expressão de TLR modulada vice-versa em resposta a diferentes composições da microbiota também pode regular a proliferação e morte celular de várias maneiras. A sinalização TLR central vias envolvendo MAPK e PI3K desempenham um papel importante na regulação da proliferação celular através de TLR.

Várias outras bactérias têm sido estudadas por seu potencial envolvimento no câncer com mecanismos variados. Entre estes, Escherichia coli também está relacionado ao câncer colorretal com uma série de observações. Verifica-se que o aumento de microrganismos produtores de genotoxina, incluindo E. coli pode contribuir para o câncer colorretal mediado por inflamação crônica. Sugere-se que o dano ao DNA do hospedeiro induzido pela colibactina contribui para a etiologia do câncer colorretal.

O papel da microbiota no câncer é um aspecto relativamente novo e necessita de mais investigações para entender o efeito coletivo dos componentes da microbiota no processo de carcinogênese. Estudos discretos estão surgindo, compreendendo o papel do componente individual da microbiota na progressão, prevenção e gerenciamento do câncer. Em contraste, a microbiota funciona como um ecossistema onde cada componente está contribuindo para o processo de afetar a fisiologia normal do hospedeiro. Portanto, precisamos de um modelo para entender a contribuição da microbiota como uma comunidade, além de entender o papel do componente individual da microbiota no processo carcinogênico. O recente desenvolvimento de tecnologias de sequenciamento de próxima geração com análises ômicas pode nos ajudar a desenvolver tais modelos. Várias abordagens recentes, como microarray, análise metagenômica juntamente com análises metatrascriptômicas podem indicar sobre a composição da comunidade microbiana, além de sua influência na fisiologia normal do hospedeiro e efeitos subsequentes na carcinogênese.

No entanto, as descobertas e observações atuais indicam que a microbiota pode contribuir para a carcinogênese por meio de uma variedade de mecanismos e a compreensão desses mecanismos pode nos ajudar a planejar estratégias preventivas e terapêuticas adequadas para o câncer. Além disso, a identificação mecanicista da atividade anticancerígena de micróbios está abrindo caminho para o desenvolvimento de terapias adequadas para o tratamento do câncer. Resumidamente, a identificação da implicação mecanicista da microbiota na carcinogênese e sua prevenção pode nos fornecer intervenções para prevenção e manejo de uma variedade de cânceres.


Por: Ábner Souza Paz

Nutricionista – Grupo de Oncologia BRASPEN

Referência: KHAN, A. A. et al. Microbiota and cancer: current understanding and mechanistic implications. Clinical and Translational Oncology, p. 1-10, 2021. doi: 10.1007/s12094-021-02690-x

51 visualizações